LabClínicas

NOTÍCIAS - Vítimas de insônia contam como encaram problema, que afeta 10% das pessoas Médicos dizem que, para afastar esse drama, tratamento psicológico é essencial Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/vitimas-de-insonia-contam

Três da madrugada. As horas se passam no relógio, e Roberta Medon Rangel, de 23 anos, não consegue dormir. Esta já é sua terceira noite seguida em claro, e a falta de sono por tanto tempo cobra seu preço. Ela sente dores de cabeça e no rosto, além de muita fadiga, mas ainda assim o merecido, e necessário, descanso continua sendo um sonho distante, enquanto os segundos correm, aumentando a ansiedade.



  • — Achei que estava ficando louca e fui para a emergência de um hospital — lembra Roberta. — Lá, recebi uma injeção que pareceu não adiantar muito, mas depois, finalmente, consegui dormir.

Aquela não foi a primeira vez em que a estudante de Comunicação enfrentou a insônia. Em outras ocasiões, ela aproveitava as noites em claro para ler, adiantar os estudos ou ver filmes na TV. Há cerca de cinco anos, quando ainda estava no 2º ano do ensino médio, Roberta mudou o turno de estudos da tarde para a manhã e passou a se sentir pressionada para decidir sobre o seu futuro profissional.

— Eu só conseguia dormir às 6h, justamente o horário em que devia estar levantando para ir para a escola — conta. — Comecei a perder muitas aulas. Ou então ia com muito sono, praticamente virada, o que atrapalhou demais o meu rendimento no colégio.

Pesquisas recentes indicam que quase 70% dos adultos reclamam de algum tipo de dificuldade para pegar no sono ou dormir o suficiente pelo menos uma vez por mês, e o problema afeta mais mulheres e idosos. Outros levantamentos internacionais mostram que de 30% a 48% da população em geral relatam problemas constantes relacionados à falta de sono. Destas, de 9% a 15% encaram consequências disso durante o dia, como fadiga, dificuldades de concentração e sono fora de hora, enquanto que de 8% a 18% se dizem insatisfeitas com a qualidade ou quantidade do descanso obtido. Por fim, de 6% a 10% não dormem, ou conseguem dormir muito pouco, três ou mais noites por semana durante ao menos três meses, apesar de terem oportunidade e ambiente para tanto — caracterizando um quadro de insônia crônica.

Hoje, de volta ao tratamento e com ajuda de remédios, Roberta tem um sono um pouco mais regular, embora eventualmente ainda passe noites em claro, durante as quais continua a se distrair lendo ou vendo TV.


Segundo especialistas, os casos de insônia “pura” são muito raros. Em geral, o problema está associado ou é desencadeado por outros fatores. Destes, os mais comuns são emocionais, ligados a transtornos de humor como ansiedade e depressão. É o caso de Franklin Barreto, aposentado de 69 anos. Segundo ele, tudo começou com a separação em seu primeiro casamento, mas a situação se agravou a partir de 2014, com o término de outro relacionamento.

— Até então, eu tinha insônia e tomava remédios ocasionalmente, mas aí o problema ficou brabo mesmo — relata. — Eu ia para a cama e tentava dormir, mas não conseguia. Cheguei a passar uma semana inteira sem dormir quase nada, dava apenas pequenos cochilos, acordava de madrugada e não pegava no sono de novo. Isso começou a prejudicar minha vida pessoal, eu ficava de mau humor e muito irritadiço, e então resolvi buscar ajuda.

Diagnosticado, Barreto, atualmente, dorme sete horas por noite, mas só com a ajuda dos remédios. Mesmo assim, é um alívio.

— É bom voltar a dormir. Só quem tem insônia sabe o sofrimento que é. Nunca fiz um teste para saber se eu dormiria normalmente sem os remédios, mas acredito que não — diz.

Temor este que também atinge Roberta:

— Estou numa fase boa, mas me sinto totalmente dependente dos remédios. Quando acaba um deles, já fico sem dormir bem. Sonho com o dia que não terei mais que tomar estes remédios, mas acho que isso ainda vai demorar um pouco.

Diante dessa realidade, os especialistas destacam que fazer o paciente dormir é apenas a parte mais visível, e paradoxalmente mais fácil, do tratamento da insônia crônica. Segundo eles, sem atacar as causas subjacentes, como os transtornos de humor, não há saída.

— Botar o paciente para dormir é só a ponta do iceberg e a parte menos importante do tratamento — ressalta o neurologista Andre Giorelli. — Para isso, pode-se usar medicações de vários tipos, mas nada disso adianta se não se tratar a causa da insônia, como a depressão ou a ansiedade. Para dormir e continuar dormindo bem, o paciente vai ter que abordar isso.

A médica Andrea Bacelar, especialista em medicina do sono, concorda:

— Diagnosticar as comorbidades da insônia, como os transtornos de humor, é muito importante para a decisão do tratamento. É isso que vai me ajudar a escolher a melhor substância e associar um tratamento não farmacológico.

Terapia Cognitivo-Comportamental

Assim, tanto Giorelli quanto Andrea corroboram recomendação feita em maio deste ano pelo Colégio Americano de Médicos que apontou como o tratamento primário para adultos com insônia crônica a terapia cognitivo-comportamental (TCC), que combate distúrbios por meio de um diagnóstico do problema psicológico e de uma ampla análise das emoções, pensamentos e comportamentos do paciente.

— Estudos mostram que a TCC voltada para a insônia funciona de modo inquestionável, tão bem ou talvez até melhor que qualquer medicação — diz Giorelli. — Quando juntamos as duas, os resultados são muito rápidos, mas a TCC é também uma poderosa forma de o paciente se livrar dos remédios para dormir. Não é fácil, pois é uma mudança no estilo de vida que o paciente vai ter que se dedicar e se policiar sempre, como no alcoolismo, mas é fundamental.

Balthazar Alencastro, de 52 anos, enfrentou este desafio. Sem dormir direito desde a época da faculdade, o engenheiro mecânico teve o problema agravado por um emprego noturno na manutenção de aviões de uma companhia aérea e começou a usar tranquilizantes por conta própria.

— Só que estes remédios têm uma consequência, e o que era um hábito passou a ser um problema — conta. — Eu fazia uso eventual, mas de uns cinco anos para cá passou a ser sistemático, até que percebi que estava me fazendo mal.

Depois de procurar ajuda médica, Alencastro gradualmente abandonou os tranquilizantes e hoje toma apenas uma dose mínima diária de um antidepressivo, do qual espera também se livrar logo.

— Estou atingindo meu objetivo de não depender mais de remédios para dormir, mas para isso tive que contar com força de vontade, persistência e um médico de confiança — comemora.



Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/vitimas-de-insonia-contam-como-encaram-problema-que-afeta-10-das-pessoas-1-19964425#ixzz4ISZr45IH 
© 1996 - 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.