LabClínicas

NOTÍCIAS - Pesquisa revela tendências no consumo global de bebidas açucaradas, sucos de frutas e leite - por Ana Beatriz de Melo A Del Tio

Os dados sobre a ingestão de bebidas em 187 países revelam a diversidade das tendências no consumo global de bebidas adoçadas com açúcar, sucos de frutas e leite. Uma equipe de investigação liderada por cientistas da Escola Friedman de Nutrição e Ciências Políticas na Universidade Tufts, Massachusetts, nos Estados Unidos, publicou nesta quarta-feira na revista científica “Plos One” um levantamento que aponta que o consumo de todos os três tipos de bebidas foi menor na Ásia Oriental e o de bebidas adoçadas com açúcar foi maior no Caribe e na América Latina. No geral, indivíduos mais jovens consumiram os mais altos níveis de bebidas adoçadas com açúcar, enquanto os mais velhos consumiram mais leite. Descobriu-se, ainda, que jovens no Caribe (de 20 a 39 anos) têm o maior consumo médio.

Nossa análise destaca o enorme espectro de ingestão de bebidas em todo o mundo, por país, idade e sexo. Embora saibamos que diferentes bebidas impactam substancialmente na saúde, cálculos abrangentes e detalhados do consumo de bebidas adoçadas com açúcar, sucos de frutas e leite, em níveis global, regional e nacional, por idade e sexo não estavam disponíveis até o presente estudo”, disse Singh Gitanjali, professora assistente de investigação. “Os resultados da equipe identificam variação importante entre os diferentes subgrupos internacionais e podem informar esforços para medir o impacto dessas bebidas na saúde global e ajudar no desenvolvimento de políticas de saúde orientadas para a nutrição para populações específicas.”

Uma equipe internacional de cientistas, o Grupo de Peritos para a Carga Global de Doenças, Nutrição e Doenças Crônicas, contribuiu para esta análise, que avaliou dados de 195 pesquisas alimentares, o que representa mais da metade da população do mundo, e também incorporou dados de disponibilidade de alimentos em 187 países entre 1990 e 2010. Levando em conta as diferenças entre essas fontes de dados, uma análise estatística determinou os níveis de consumo médio de bebidas adoçadas com açúcar, sucos de frutas e leite nesse período entre homens e mulheres a partir de 20 anos em sete faixas etárias em 187 países. Bebidas adoçadas com açúcar foram definidas como sendo refrigerantes, bebidas de frutas, energéticos, chás gelados adoçados e bebidas caseiras açucaradas.

As tendências globais revelaram grande variação por região, com maior ingestão de bebidas adoçadas com açúcar nas Américas, particularmente em partes da América Latina e do Caribe, e menor no leste da Ásia. Mulheres com mais de 60 anos tiveram o menor consumo, e homens entre 20 e 39 anos, o maior. Quanto à ingestão de sucos de frutas (sem adição de açúcar, 100% fruta ou vegetal), o maior consumo foi da Australásia, com tendência de aumento quanto mais alto for o nível de renda do país. O maior consumo foi por mulheres com idades de 20 a 39 anos. O norte da Europa foi o vencedor do consumo de leite (desnatado, integral, baixo teor de gordura e outras bebidas lácteas). Adultos em países mais ricos normalmente bebiam mais leite do que aqueles em países mais pobres. Mulheres acima de 60 anos foram as que tiveram maior ingestão do produto.

“Com esses dados, podemos começar a estabelecer e melhorar as políticas que promovem o consumo de bebidas de baixo teor de açúcar em países específicos”, disse Dariush Mozaffarian, presidente do grupo de cientistas internacionais.

Outros esforços de investigação, que incluem dados de crianças, já estão em andamento. Os dados para o estudo foram coletados como parte do maior esforço sistemático para descrever a distribuição global e as causas das principais doenças, lesões e fatores de risco de saúde - o estudo Global Burden of Diseases, Injuries, and Risk Factors de 2010.



Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/pesquisa-revela-tendencias-no-consumo-global-de-bebidas-acucaradas-sucos-de-frutas-leite-17095139#ixzz3i3LtvZ2U 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.