LabClínicas

NOTÍCIAS - Oito em cada dez pessoas tiveram ou terão dor nas costas -por Ana Beatriz de Melo A. Del Tio

O coordenador dos Encontros, o cardiologista Cláudio Domênico, recebeu na Casa do Saber O GLOBO, na Lagoa, o fisiatra Luiz Felipe Guimarães e o ortopedista Luiz Cláudio Schettino. A mediação do evento foi da jornalista Ana Lucia Azevedo, editora de Ciência e Saúde do GLOBO.

— Em termos de saúde ocupacional (aquela que trata da aptidão clínica para o indivíduo trabalhar), as dores nas costas representam a segunda maior causa de incapacitação para o trabalho, só perdem para a dor de cabeça — explica Domênico, que descreve um erro comum do paciente ao procurar o especialista. — Às vezes, as pessoas invertem. O paciente chega querendo um raio-X ou uma tomografia, mas primeiro tem que se investigar a história deste paciente, fazer exames físicos e só depois os complementares.

Metade dos pacientes melhora com RPG

Dor nas costas associada à perda de peso pode ser sinal de uma doença maligna, como um câncer espalhado por vários órgãos, a metástase. Mas, antes de se assustar, saiba que, de acordo com Guimarães, metade das pessoas com dor aguda nas costas, não importa se cervical, dorsal ou lombar, consegue eliminar o problema com exercício de reeducação postural — em que uma de suas versões é conhecido como RPG —, manter o peso ideal e ainda colocar o estresse sob controle.

— Tudo ou quase tudo pode dar dor na coluna. Viajar de avião, carregar o neto, ficar muito tempo sentado... É importante não valorizar porque, às vezes, os problemas que se apresentam em um exame complementar não são os que a pessoa tem de fato — pondera o fisiatra. — Todos nós, depois dos 30, vamos ter nossas artroses, bicos de papagaio, mas muitas vezes não nos queixamos disso.

E quem nunca procurou uma massagista de preço camarada indicada pela amiga, ou deitou no chão porque soube que superfície dura melhora a dor nas costas? O médico alerta que o barato e aparentemente mais simples pode ficar bem caro:

— Há cinco tipos diferentes de massagem e, para cada um, há uma indicação. Uma massagem mal feita pode aumentar as contraturas e causar mais dor. Fazer apenas um amassamento, por exemplo, pode dar uma boa sensação, mas pode também levar o paciente ao médico.

O médico Luiz Schettino, cirurgião do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into) no Rio, explicou à plateia quais são as principais categorias de dores nas costas, quando provocadas de fato por problemas na coluna.

As dores mecânicas, que quase todos já tiveram em algum momento, são aquelas que variam de acordo com a posição do paciente — melhoram quando deitado, por exemplo, ou pioram com a atividade física. As inflamatórias, por sua vez, têm como característica serem piores pela manhã e melhorarem durante o dia, causam enrijecimento e podem envolver outras articulações além da coluna. Já as tumorais são diferentes, doem à noite e não melhoram em situações de repouso ou movimento, assim como as infecciosas, que podem estar associadas ao suor excessivo. Há ainda as traumáticas, estas bem fáceis de identificar, pois o início fica marcado pelo momento da queda ou acidente que provocou o problema. Com o avanço da idade, a degeneração óssea, como a que acontece com o desenvolvimento da osteoporose, pode causar dores e até fraturas.

Uma dor para cada fase da vida

Para cada fase da vida há um dos tipos de dores de coluna mais frequentes. Nas crianças e nos adolescentes, as dores em decorrência de tumores, infecções e doenças do desenvolvimento são mais comuns.

Os jovens adultos já começam a apresentar os sintomas reumáticos e estão mais expostos ao trauma, seja pela prática de esportes ou situações de risco, como andar de moto. Já adultos a partir dos 30 anos apresentam o desgaste discal, dos chamados “amortecedores da coluna”, que podem levar às hérnias e são a causa de dor mais frequente nesta fase da vida. Os idosos passam a precisar de mais atenção e, em geral, voltam aos cuidados comuns às crianças, já que as dores causadas por infecções e tumores tornam a ser o motivo de lombalgia, acompanhadas das dores decorrentes de fraturas causadas pela osteoporose.

— A cirurgia tem indicação quando o tratamento conservador (com medicamentos) não tem mais efeito, quando a dor é persistente, não se consegue mais andar ou há aval para enfrentar o risco da cirurgia. Cada vez se faz cirurgia em pacientes mais idosos, pois a medicina já permite essa possibilidade e as pessoas estão vivendo mais — completa Schettino.



Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/saude/oito-em-cada-dez-pessoas-tiveram-ou-terao-dor-nas-costas-9682728#ixzz2d4cRnpa4 
© 1996 - 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.