LabClínicas

NOTÍCIAS - Médicos usam exame papanicolau para detectar câncer de ovário e endométrio - por Isabel Gomes

Primeiros resultados mostraram que o teste diagnosticou 41% dos cânceres no ovário e 100% dos tumores no endométrio. Atualmente, não há nenhum exame preventivo eficaz para ambas as doenças

O Papanicolau, exame ginecológico no qual células do colo do útero são recolhidas e que ajuda a detectar câncer cervical, pode também ser útil no diagnóstico do câncer do endométrio e de ovário, doenças para as quais ainda não existe um teste eficaz de prevenção. Foi o que demonstrou uma equipe internacional de pesquisadores, entre eles dois brasileiros, em um estudo desenvolvido na Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Os resultados foram publicados nesta quarta-feira na revista Science Translational Medicine.

No estudo, os pesquisadores coletaram material do colo do útero de pacientes, mas, em vez de procurarem por células cancerígenas, como acontece quando os médicos investigam o câncer cervical, eles buscaram mutações no DNA associadas ao câncer de ovário ou do endométrio. "Ou seja, não estamos mais buscando células cancerígenas, mas sim moléculas. É um Papanicolau molecular, digamos assim. Por isso ele recebeu o apelido de 'PapGene'", disse ao site de VEJA Jesus Paula Carvalho, chefe de Equipe de Ginecologia do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) e um dos autores desse estudo. A precisão dos primeiros testes do 'PapGene' foi de 100% para o câncer endometrial e 41% para o câncer de ovário.

Essa não é a primeira vez, porém, em que uma análise genética é feita a partir da secreção vaginal coletada das mulheres — médicos já conseguem fazer o diagnóstico de HPV e clamídia por meio desse exame.