LabClínicas

NOTÍCIAS - Estudo explica como o sono ajuda o cérebro a se reorganizar Pesquisadores relacionam processo ao aumento de atividade neuronal - por Ana Beatriz de Melo A Del Tio

Além de ser fundamental para manter o bem-estar do organismo e garantir o bom desempenho da função cardíaca, o sono ajuda o cérebro a se organizar, segundo um novo publicado na revista científica “Nature Communications”. Durante esse período de descanso o cérebro se reorganiza e se adapta às novas experiências — o que pode ter impacto sobre a memória e aprendizagem.



Esta é a primeira vez que uma pesquisa explica como estruturas ligadas à consolidação de memórias e adaptações trabalham durante o sono e o que mais acontece no cérebro enquanto dormimos, um processo que permite o armazenamento de informações recém-adquiridas.

O trabalho identificou que, em descanso, a atividade nos dendritos — uma região específica dos neurônios — se intensifica. A estrutura é fundamental para a plasticidade do cérebro, ou seja, a capacidade do sistema nervoso de mudar e atender às novas demandas. De acordo com a pesquisa, esse aumento no desempenho dos dendritos está ligado, à ocorrência dos chamados “fusos”, ondas cerebrais que são emitidas quando dormimos e que influenciam na formação de memórias.

— Os fusos do sono foram associados à formação de memória em seres humanos por algum tempo, mas ninguém sabia o que eles realmente estavam fazendo no cérebro. Agora sabemos que durante os fusos, caminhos específicos são ativados em dendritos, talvez permitindo que nossas memórias sejam reforçadas durante o sono — afirma Julie Seibt, pesquisadora da Universidade de Survey, que lidera o estudo.

 

Durante a pesquisa, os cientistas analisaram, em ratos, os níveis de íons Cálcio nos dendritos — que sinalizam a atividade em curso na estrutura celular — e mediram a frequência de fusos por meio de um eletroencefalograma. Dessa maneira, os pesquisadores observaram que o aumento do fluxo elétrico nos dendritos coincide com maior índice de ocorrência de fusos. Nessas condições, acontece o processo de reorganização cerebral a partir das novas experiências.

— Nossos cérebros são órgãos incríveis e fascinantes, têm a capacidade de mudar e se adaptar com base em nossas experiências. Está cada vez mais claro que o sono desempenha um papel importante nessas mudanças adaptativas e nosso estudo mostra que uma grande proporção dessas mudanças pode ocorrer durante os fusos — explica Seibt.


TRATAMENTO DE DEMÊNCIA

Segundo o estudo, a descoberta pode ajudar a promover o desenvolvimento de técnicas mais eficazes para lidar com problemas mentais graves, como a demência.

— Em um futuro próximo, as técnicas que permitem a estimulação cerebral, como a estimulação magnética transcraniana (TMS), poderão ser utilizadas para estimular dendritos com a mesma faixa de frequência que os fusos. Isso pode levar a melhorar as funções cognitivas em pacientes com transtornos de aprendizagem e memória, como a demência — diz a pesquisadora.

Estudos anteriores já tinham relacionado características do sono com a possível ocorrência de demência. Uma pesquisa da Universidade de Nova York (NYU) indicou que pessoas idosas que têm apneia do sono, comumente marcada por ronco pesado, tendem a apresentar o início de um declínio cognitivo cerca de 10 anos antes do que aquelas sem o problema.





Leia mais: https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/estudo-explica-como-sono-ajuda-cerebro-se-reorganizar-21899854#ixzz4wcrmWOmT 
stest